Eis minha poesia. Toma, agora é tua!

terça-feira, 1 de maio de 2018

poesia do passado








passado é alimento
do presente
se é contentamento
o dia a dia
o passado
é somente o que sentes
as horas passam
os dias passam
semanas
meses
anos
e o passado é teu contentamento
a poesia relida
viva
em tua mente
agora é alimento
vai nutrir outro sentimento
vai amar contente

Matheus Matos

uma pausa



uma pausa
.
.
.
.
o dia a dia
adia a calma
consome a alma

Matheus Matos

quarta-feira, 21 de março de 2018

poetas não rasgam poesia


http://borgestodoelanio.blogspot.com.br/2014/06/jorge-luis-borges-991-ad.html?

991 a.d.

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

Eu descobri que vivo em um estado embriagado
Me dou bem com bêbados e felizes
converso de igual pra igual.
Gosto de pessoas que dizem a verdade crua
pessoas que desnundam suas almas
e se entregam as verdades.
Por isso me dou bem com embriagados.
Eu sou um deles.
Vivo constantemente com o coração aberto.
Me entrego fácil às amizades
e quero sempre o bem ao próximo.
Não fosse Jesus um deus
aconteceria de eu ter sido seu seguidor.
Gosto muito de quem prega o amor pelo amor.
Mas deuses são invenções humanas para o desconhecido.
Eu não sei, mas um dia cairemos num desses portais para o impossível
onde estão todas as respostas
de todas as perguntas que ainda nem fizemos.
Lá as coisas são reais.

terça-feira, 18 de julho de 2017

senhora poesia

senhora poesia

há tempos não me visitas
todas as outras vezes
embora rápida e sorrateira
me trazias
em teus braços
em teus beijos
em teus suspiros e delírios
em teus sussurros
um pouco de paz

há tempos não me alimento de poucos
ainda que poucos fossem os meus prazeres
nos tempos em que me visitavas:
trazias um amor cadente
um amor eterno
um amor ardente
volta e meia um amor em paz
às vezes até o meu amor próprio

mas meus poucos se foram
agora tenho muitos
afazeres
muitos sem paz
e de longe eu vejo como riste de mim
de longe me assistes
e eu a ti

hoje tu vieste sem querer
me deste um beijo rapidinho
deixaste palavras sem verso
me fizeste falar de ti
e foste embora novamente

e eu continuo ainda aqui
sempre em riste
esperando o pouco da minha paz

Matheus Matos